Ser mãe de fissurado

Ter um filho fissurado é ser escolhida para cuidar e ajudar uma pessoa a seguir um caminho com mais auto estima, a superar um problema que não é apenas físico, mas que envolve e muito o psicológico. Ele não possui nenhuma deficiência e isso tem que ser reforçado, mas se sente diferente dos outros por possuir uma cicatriz e a fala ser um pouco diferente dos outros e por incrível que pareça ninguém quer ser diferente, principalmente na adolescência, querem ser igual aos outros e aí, buscamos em Deus a melhor maneira de mostrar tudo de bom que este ser já possui para ser feliz. Que a única limitação que ele pode possuir está dentro dele e deve ser superada e olhada como mais um aprendizado na estrada da vida. Que ele pode tudo e basta querer e seguir em frente com amor e fé. Nunca tratar como um coitadinho, pois ele é igual a qualquer pessoa, e deve ser preparado para o mundo.

É uma tarefa difícil, mas compensatória, uma trajetória de muitas vitórias a cada degrau e eu que tenho hoje um filho aos trinta anos de idade e que já passou por muitas coisas, agradeço a Deus e ao Centrinho-Bauru, todo o apoio que precisei. O Centrinho não é apenas um hospital que trata de fissurados, é um lugar que trata o paciente em todos os detalhes, em que se está nas mãos de mestres e não apenas médicos e que acima de tudo trata de nossos filhos como seres humanos e de nós como mães que nos angustiamos, sofremos, ficamos inseguras e com o coração pequenininho a cada vez que nossos filhos entram num centro cirúrgico. Eles são profissionais que entendem os sentimentos e respeitam cada limitação a que possuímos e oferecem um tratamento completo acompanhando todo o desenvolvimento físico e psicológico que essa criança vai passar. Por isso agradeço a Deus a existência do Centrinho e o presente que recebi ao ter esse filho tão maravilhoso fazendo parte de minha vida e com quem eu também aprendi e cresci como ser humano.

Eunice Felinto Nascimento, mãe do Hugo.

Fissurado pela Mãe - Hugo

5 Comments Ser mãe de fissurado

  1. Katia

    Lindo o seu depoimento Eunice! Verdadeiro e cheio de amor! Sou avó do Théo, e agradeço todos os dias a existência dele. Ele é tudo de bom! Um abraço!

    Reply
  2. Nayla

    Minha sogra guerreira! E meu noivo perfeito! Amo demais… aprendo demais! Só tenho a agradecer por ter esses dois na minha vida =)

    Reply
  3. leandro Baum

    Que legal ver exemplos assim , de pessoas que já são adultas e que passaram por tudo que o nosso Théozinho passou recentemente também. Essa questão de serem diferentes , só aumenta o nosso bem querer por eles e acho que os tornam pessoas que aproximam pessoas deles …Bola frente que atraz vem gente …Abraço para a Eunice e para o Hugo .

    sds.
    Leandro Baum-avô do Théo.

    Reply
  4. ana rosa uliarte perona

    Olha muito lindo. Eu sei que minha mãe e família são meus alicerces sem eles e o centrinho não seria esta pessoa completa amo todos vocês

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>